29 de jul de 2010

Cherry.

Frágil, muito frágil, e agora - também - distante . Uma devoradora de músicas e livros, leituras em geral, lê a tudo e todos, tem os amores alheios como seus, devaneia com as amigas, chora infindáveis horas pelo que nunca foi seu.
E lê, porque busca nos livros um subterfúgio de todo o mundo de sentimentos que não tem, não sente e não vive . Lê sempre os mesmos de romances bonitos com finais felizes, sentada, esperando, desejando, que o seu próprio final feliz chegue e a salve, não de " quem ", mas de si e dos próprios - frágeis - castelos de cartas passadas.
Lágrima nenhuma, não há mais dor ali, não há mais nada, só d e s i l u s ã o ... Soprando gelada, soprando e arrebatando o último filete de esperança. " É a minha felicidade saindo de mãos dadas com outrem "

4 comentários:

  1. Chora infindáveis horas pelo que nunca foi seu. - resume, é. Estou na mesma prateleira que ti, esperando que alguém me salve, ou não.

    ResponderExcluir
  2. Não coloque sua felicidade na mão de outrem. oks?

    bejin nannie

    ResponderExcluir
  3. "E lê, porque busca nos livros um subterfúgio de todo o mundo de sentimentos que não tem, não sente e não vive ." Perfeito!

    ResponderExcluir

Picolé de Chuchu ;

Fria e Indigesta !