7 de out de 2008

A fabulosa arte de olhar e ver.

Sempre vai existir alguém disposto a lhe surpreender e a atingir novos patamares de importância na sua vida .

Pois é.

Era uma vez uma retardada, nerd, chata e bocó pela qual eu matava e morria, sem sequer esperar nada em troca.

Ela continua a mesma retardada, nerd, chata e bocó, mas agora ela me parece REALMENTE muito diferente.

Não fui eu quem mudou, tampouco ela o que mudou foi o jeito de olhar. O que mudou foi o carinho e o grau de importância, ela que antes tinha uma importância agora tem uma excelência .
Afinal de contas, você não vale nada mas eu gosto de você!




Eu tinha que te dizer isso, amigz.




<3

5 de out de 2008

Um soluço e a vontade de ficar mais um instante.

Passos lentos, uma espécie de marcha triste e silenciosa, interrompida vez ou outra por murmúrios " Era um bom, homem ! " ou um aperto forte nos braços cansados dos familiares " Seja forte...! ", e numa marcha fúnebre murmurada pelos constantes ventos e pelo choro constante chega-se ao destino.

Nós fazemos mais planos do que nossa vida, aparentemente, aceita. Do que o tempo dá .

A proposta da morte é tentadora, tempo, tempo, indolor, tempo.

Na volta os passos são rápidos, as conversas são quase animadas e se procurar bem você consegue identificar sorrisos .

A tristeza foi enterrada, a dor, os votos e todo o resto.

" . "


Muitas vezes criamos planos, fazemos planos, construímos toda uma vida que a vida se encarrega de nos fazer esquecer, e crescer parece ser uma aventura e se torna um conjunto de endurecimentos emocionais.
Crescer é aparar de sentir, então. Parar de sonhar é correr em torno de ideais mínimos de pequenas coisas e da acumulação de um " vil metal " .


Não condeno, portanto, os suicidas .

1 de out de 2008

Sobre mesas, valores.

Valor do Lat. valore


s. m.,
o que uma coisa vale;
preço;
importância;
qualidade inerente a um bem ou serviço que traduz o seu grau de utilidade;
qualidade daquele ou daquilo que tem força;
valia;
estimação;
valentia;
coragem;
mérito;
préstimo;



Somos produto do meio, é o que discute o determinismo social. Sendo assim temos uma parcela de culpa sobre a situação alarmante na qual se encontra o meio. Somos todos, ou grande maioria, de uma geração cheia de informação, mas com pouco conteúdo. Crescemos sabendo o que era tudo, mas sem conhecer de fato. Você crescve sabendo que ama sua mãe, mas você não construiu isso e nem sabe como esse amor se manifesta e de repente crescer assim faz com que mil pessoas se tornem tão amadas quanto a sua mãe.
E onde ficam os valores, galerinha? A importância, a ênfase no que se sente, no que se nutre por algo ou alguém ? Qual são os méritos dessa sociedade que produz de maneira assustadora adolescentes problemáticos e esteriótipados pela mídia?Qual é a virtude de um meio que já lhe entrega os conceitos não lhe deixa construir.
E a mesma sociedade que suprime as chances exige objetivos, exige reação, exige de você o que ela não te estruturou para ter. Vivemos entre os extremos de crianças adultas e adultos infantilizados, onde os valores não estão bem fixados e aparentar é muito mais interessante que, de fato, ser alguma coisa.
Mas não é novo o fato de a sociedade ser hipócrita, porque quem controla o que a sociedade pensa É hipócrita.
Quem controla o pensamento social cria filhos ignorantes, preconceituosos, problemáticos e frequentemente drogados.


Essa é a mais-valia do sistema, porque enquanto você RALA para ser qualquer coisa decente tem sempre alguém para zombar dos seus esforços, para te mostrar que ser inteligente não é nada... E que a sua inteligêcia usa a unidade de medida errada, porque só é interessante para a sociedade mesas, úteis que carregam o peso do que a alimenta porém, quietas e imóveis.


Quualquer tipo de valor causa aversão aqui, sobre a mesa só o consumo.

Picolé de Chuchu ;

Fria e Indigesta !