24 de mai de 2015

B R O K E N

Eu não consigo dormir!
Por que?
Porque eu não consigo fechar os olhos nessa vida nem tão confortável e esquecer dos desconfortos dos outros e acordar no dia seguinte e continuar andando por aí como se nada estivesse acontecendo como se a cada doze segundos uma mulher não fosse estuprada tem gente atras dos números e números atras da gente eu mesma já fui estuprada a senhora sabia e até hoje eu não consigo me livrar dos pesadelos com números 6 vezes antes de mais 8 e depois o vômito durante 7 dias nem pude voltar para casa com que cara ia olhar para o meu pai que me educou tão bem para pedir que o cara colocasse camisinha e dizer que aumentei em 3 vezes a possibilidade de eu ter alzhelmeir porque não consegui falar.
Então você não denunciou?
 Não eu não consegui falar eu passei dias sem conseguir falar eu fiquei tão perdida atônita sozinha e muda que acho que ainda não voltei a mim e por isso eu tenho esse medo atrás da orelha de ser sufocada de sentir dor que a dor nem aponta e eu já tomo remédio para qualquer dor as vezes a dor é tão grande e o buraco tão vazio que eu tento outras drogras e elas nunca dão conta deste meu espaço frio e inóspito acho que ele levou uma parte de mim acho que era um anzol o que ele tinha e pescou qualquer coisa leve que me deixou tão densa e pesarosa que depois disso eu quase não posso sorrir mais
Como você está se sentindo hoje?
Como eu sempre me senti todos os dias como se eu fosse parte da sobra algo que não se encaixa acho que por isso eu não consigo dormir porque os pensamentos me invadem assim sem virgulas e vão me engolindo e me levam cada vez mais longe tão longe que as vezes não tem volta pro sono
Amytril, Rivotryl, Lexotan
Pro enjôo existencial Plasil.

13 de mai de 2015

Você não sabe o quanto ser mulher é bom

O cheiro ácido de urina misturada ao sangue escorria pelas pernas e inundava os olhos, como não podia gritar, gemia contra o travesseiro e confidenciava sua dor, na pele as marcas que ninguém viu inauguravam a dor que ninguém notou. Ficou amargo sorrir, sua buceta sangrou 7 dias, o tempo de Deus fazer o mundo, desfez tudo que havia nela. Nunca mais pôde se recuperar da dor. O nó na garganta as pernas trêmulas a gagueira, tinha medo dele, tinha medo de ser estuprada de novo.

Você não sabe o quanto ser mulher é bom.

A pele negra nunca disfarçou as marcas roxas, gostava de pensar nelas como a arte do amor, sabia que ele a amava, que nunca ia deixar-lhe e dia sim, dia não isso a amedrontava, mas o amor dói, dizem os poetas, o amor dói e ponto. Cinco pontos no supercílio. Ele não queria me atingir... Foi sem querer, escorreguei e bati o rosto na maçaneta da porta, doutor!

Você não sabe o quanto ser mulher é bom!

Entre os olhos podia contar a luz dos postes na rua, Pensava em contas de multiplicar, tinha acabado de aprender. Enquanto as mãos dele passeavam pelo meu corpo. Eu continuei fingindo que estava dormindo, porque eu nunca senti tanto medo, intimamente eu sabia que aquilo era errado e por isso mesmo sabia que era minha culpa, minha máxima culpa, eu devia ter gritado. Mãe ele é tarado. Não fale sobre isso.

Você não sabe o quanto ser mulher é bom?


10 de mai de 2015

Matrimônio

Eu posso fumar. E sua mãe não vai sentir o cheiro de cigarro na sua roupa? Não, ela fuma. Mãe, assaltaram minha casa! Estou chegando aí assim que amanhecer. Mãe eu estou com medo de dormir sozinha. E como você vai fazer quando eu e seu pai não estivermos mais aqui? Mãe, eu fiquei com medo de estar grávida...Deixa eu te contar um segredo, mamãe. Mãe, acho que eu estou doente. Mãe, você não entende, eles não gostam de mim porque eu sou feia. Mãe, eu estou bêbada. Mãe eu estou apaixonada por uma menina. Sim, o que você espera que eu diga...? Amor é amor. Mãe, as vezes eu tenho medo de estar ficando louca. Todo mundo tem medo, Leãozinho. Mãe, você enviou a minha carta para Eliana? Mãe, me limpa! Mãe, o que tem depois do céu? Mãe, brinca de boneca comigo? MÃE, MÃE, MÃE, EU PASSEI MÃE! EU PASSEI NO VESTIBULAR MÃE! Eu sabia que você ia passar. Só você não sabia. Mãe, promete que você não vai me deixar nunquinha? Mãe como a senhora tá? Mãe, você sabe onde está...Você, não, senhora. Você tem que me deixar ter minhas próprias experiências, minha mãe! Mãe, como é que faz arroz? Mãe, me coça! Mãe, eu vou pintar o cabelo. Mãe, vou colocar um piercing no umbigo. Mãe, vou fazer uma tatuagem. Mãe, eu sei que ela é sua mãe, mas você precisa se acalmar, porque ela ainda não morreu.  Mãe, você lembra que mesmo quando você me fazia chorar, eu chorava abraçada na sua perna? Eu sinto que ainda sou esta.

5 de mai de 2015

Escrevo longas cartas para ninguém...

Olá, estranha

Sinto sua falta. Eu sei que você está aqui o tempo todo, sei que você emerge, sei dos seus retalhos. Mas eu sinto sua falta. Daquela menina despreocupada, sonhadora e esperançosa, que você costumava ser, e tão pretensiosa e franca que era capaz de reproduzir as maiores bobagens políticas. Sinto sua falta e sei que não sou só eu. Outros também sentem a sua falta. Falta do seu jeito de falar, calmo e pausado. Do seu olhar nos olhos. Quando você começou a falar de maneira tão insegura? Justo você que nunca gaguejava? Justo você que queria fazer, vejam só, Direito. Quando você adquiriu essas olheiras e esse olhar perdido ? E esse medo, quando? Ninguém teme por você, mas eu temo. E sinto saudades, quantas vezes sepultei seus gostos e codinomes, mas nunca tive medo da iminência da sua morte. Não me refiro aos ciclos, não falo em borboletas. Falo em mudanças tão profundas que ignoram a lagarta e o casulo. Acho que você deveria voltar para casa, ela fica mais limpa e organizada quando você está. O que está acontecendo com seu cabelo ? Quanto tempo tem que você não faz as unhas? Não pelo patrão (bos)estético do patriarcado que eu combato o tempo todo e sobre o qual não vou me alongar a falar, porque isso parece levar você para, ainda mais, longe, mas pelo cuidado de si, Você tem cuidado de si?  Pelos momentos de dedicação ao próprio corpo? Eu sei e mais ninguém sabe que você não está indo no médico, como você pretende cuidar de alguém assim? Quando você passou a insistir sem fé nenhuma? Cadê as velas? A responsabilidade com o Ori? Eu e Iansã sentimos sua falta. Onde você se meteu, menina? Que eu não te vejo mais? Tenho te procurado e não sei dizer em que espelho ficou perdida a minha face.

Amor, AR.

Picolé de Chuchu ;

Fria e Indigesta !