27 de dez de 2011

De cima da pedra mais alta

Fiz, por acreditar, por ter vontade, fiz. E reafirmo o que fiz, faria novamente, igual ? Depende. Se eu fosse quem sou agora, não, certamente não, mas se eu fosse tal como fui, faria, de novo, mais quantas vezes fosse preciso. Hoje, faria melhor, faria antes, diria mais.
De cima da pedra mais alta, hoje, sei que fiz e fiz bem amor, história, filosofia, literatura, fiz laçoes, não nós porque ninguém precisa ficar se não quiser, pessoas passam e tem que passar, mas pessoas ficam e tem que ficar, mas só fica quem você quiser que fique, não porque você é mesquinha e sim por precisar de espaço na casa e no coração.
Laura me perguntou se eu acreditava no amor infinito, no para sempre, disse a ela que sim. Ela sorriu comigo e confessou sonhos antigos de ParaSempresInfinitos, concordei o que a gente ama vai para sempre conosco de muitas formas, mas o sempre humano é finito, é verdade.
Anita me mostrou os dentes, não a Anita de antes, a nova, a que abraça, Anita é uma menina de uns seis anos e alguns meses que corre pela praia chutando areia para cima e construindo castelos, muito intensa e inteligente, muito minha. Ela é filha de Laura, é minha filha também, de muitas formas.
Isabela me arrebatou, devo dizer, ela cresceu de maneiras imcompossíveis em mim, me lembrando sempre do nosso tão antigo bordão, me lembrando sempre de amanhecer brilhando mais forte, mais forte, mais eu. Continuo amando a Estrela, e a Amélie. São duas da mesma, a estrela é a que brilha na minha cama e a Amélie é a que brilha na minha briga, meu abrigo.
Por elas, as duas que uma só são, acredito no Infinto. " O Infinito é um dos Deuses mais lindos "
Laura disse da mágoa da Rosa para mim, Anita leva consigo as dores do mundo, Isabela tem força e graça, mas é Amié que me faz ter Fé e crer, Amié me faz precisar de cama e de colo, Amié me desampara, me faz mover-me em mim, mudar, crescer, Amié me empurra para frente e para mim.
As minhas de mim, as mulheres de mim que de formas e modos diferenciados fazem uma reafirmação do que vale a pena, do que acredito e de quem eu sou.
Derramam o leite bom na minha cara e o leite mau na cara dos caretas.

9 de dez de 2011

Água da minha sede, bebo na sua fonte.

 O gosto dos lábios, os grandes, os pequenos e aqueles que sorriem, que colados aos lábios meus, de sortidos tamanhos e cores, tem a mesma avidez. E embora com sofreguidão tenha me afastado dos lábios todos, beijo a saudade. Nem era pelo sexo que foi o sexo feito. Era pelo estar ali, por merecer aquele arroubo de intimidade e prazer, porque a gente nada nada nada e nada cinco dias na semana em buscas tão vãs quanto imediatas, mas é no seio nosso que amamentamos nossa sina, sina de si. Zona de conforto é o músculo que tremelica metido entre as pernas outras e ainda não. E ainda não é a comodidade da mentira, nem o conforto do inabitável - para além - nosso. E ainda não é nada disso que o beijo selou com gozo, e o gozo fincou-se em gosto.


         O amor não é da ordem das compreensões.

Picolé de Chuchu ;

Fria e Indigesta !