29 de out de 2011

Primavera nos dentes

Seu sorriso me provoca,
O que nunca antes sucedeu,
                                 [ Só de lembrar do seu risinho,
                                    o mundo inteiro amanheceu.]
Posso até pedir que fique mais um poquinho,
Mas você é feito bichinho,
                                 [Arredio, que foge pé-ante-pé,
                                                           devagarzinho]

E eu fico com o amor estampado na cara 
Que poesia quando dá no mundo é rara,
E nem todo mundo pode ver.
Mas, quem ler esse poema bobinho,
E entender só um pouquinho
Como o amor cresce e floresce rapidinho,
Entenderá a verdade sobre a primavera,
Que se espalha e toma todos os dentes.

5 comentários:

  1. Um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que está lendo a gente, e não a gente a ele. (Mário Quintana)

    ResponderExcluir
  2. Muito bom :D uma flecha directa ao coração!

    ResponderExcluir

Picolé de Chuchu ;

Fria e Indigesta !